Arquivo do blog

domingo, 28 de agosto de 2011

QUEM NÃO VEM PELO AMOR, VEM PELO AMOR




 Quem não vem pelo amor, vem pelo amor
  Por José Edilmar de Sousa

  Todo aquele que o Pai me dá, esse virá a mim; e o que vem a mim de modo nenhum o lançarei fora. Porque eu desci do céu, não para fazer a minha própria vontade, mas para fazer a vontade daquele que me enviou. E a vontade de quem me enviou é esta: que nenhum eu perca dos que ele me deu; pelo contrário, eu o ressuscitarei no último dia (Jo6: 37-39).
  Esse texto me embasa para a reflexão que há algum tempo venho fazendo, sobre as ações de Deus ao nos chamar ao seu convívio, à sua intimidade, a um relacionamento frutífero com Ele. 
     Não parece tão comum ouvirmos a expressão acima. À primeira vista, alguém que conhece bem os jargões evangélicos, dirá que há algo errado nela.
O certo seria como se ouve muito por aí: quem não vem pelo amor, vem pela dor. É incrível como tal afirmação é feita com tanta facilidade no meio evangélico! E não somente isto, acredita-se na sua veracidade supostamente baseada na Bíblia. Já ouvi professor de discipulado dizer: a Palavra do Senhor diz que quem não vem pelo amor, vem pela dor. Ao ouvir isto entendo porque Oséias disse que o povo de Deus sofre por falta de conhecimento (Os 4:6). E ainda o que poucos sabem é que tal expressão origina-se do meio pagão, mais precisamente através do maior divulgador da doutrina espírita, o senhor Alan Kardec. Precisamos refletir sobre isso de forma crítica e autônoma para não sermos ingenuamente levados a creditar em mentiras humanas como se fossem verdades divinas. Assim, sem arrogância de me achar melhor entendedor da Palavra, quero desfazer com base nela mesma, esse equívoco a cerca da forma como Deus nos chama ao relacionamento com Ele.
      Louvo a Deus por ter me ensinado a pensar diferente. No início de minha caminhada cristã eu acreditava que Deus realmente provocava dores na vida daqueles que seriam chamados para lhe servir. Haja vista que eu confessara o Senhor Jesus como meu Senhor, depois de um momento de grandes aflições em minha vida. Levando a vida de forma promíscua e completamente envolvido com o mundo, fui assaltado, levei muitas pancadas na cabeça e como resultado, três meses depois eu tive um Acidente Vascular Cerebral (AVC). Depois de quase perder a vida, lembrei-me das palavras evangelizadoras de um amigo que, no meu passado pervertido, procurou me falar do amor de Deus. Decidi então entregar a minha vida a Cristo. Perfeito, meu testemunho se encaixava direitinho no ditado popular evangélico. Deus havia me chamado amorosamente. Como não atendi ao chamado, ele me provocou dores para que eu pudesse perceber o seu amor. Por algum tempo defendi essa tese, inclusive, usava-a como argumento para evangelização no Instituto Dr. José Frota (IJF), onde passei algum tempo evangelizando.
     De algum tempo para cá, o Senhor tem modificado minha forma de pensar. Podemos questionar: que maneira estranha de um Deus que se diz que é amor (1jo4: 16), usar de artifícios que maltratam, machucam aqueles a quem Ele diz que ama? Teria sido mesmo Deus quem me deixara quase à morte, com o lado esquerdo paralisado e sem poder andar? Parece contraditório acreditar que o Deus que é amor agisse dessa forma. Aliás, parece e é contraditório. Hoje não consigo mais crer que o Deus que revelou o seu amor em minha vida, seja capaz de tal iniciativa.
     E o que dizer dos diversos exemplos de pessoas que se achegaram para Deus em momentos de grandes adversidades (dores, o entregaram e foram transformadas?). Demorei a ter a resposta, mas hoje eu a tenho. Não foi Deus quem provocou as dores em suas vidas. Elas nos sobrevêm como decorrência de nossas escolhas, atitudes, decisões. O mundo está cheio disso. E se estamos nele, envolvidos com ele, dificilmente, estaremos livres dos males dele inerentes.
     Penso que Deus é tão misericordioso! Ele vive e nos chama amorosamente. E quando não o atendemos, não imagino que ele se enraiveça e tome providências, quaisquer que sejam, para que venhamos até Ele. Pensar desse modo seria imaginá-lo como um pai rancoroso que, depois de adular bastante o filho que não lhe obedece, resolvesse em seu íntimo: vou dá-lhe uma surra e quero ver se não muda de idéia. Ele vai vê o que é bom para tosse. Ou vem ou vai sofrer muito. Não vejo, não consigo ver Deus assim. Eu acredito que quando nos distanciamos dele e dizemos não à sua chamada amorosa, sofremos e sofremos muito. Contudo, este sofrimento não é Ele quem provoca, mas o simples fato de que fora de sua presença não há felicidade. Se vivermos em guerra, não é castigo dele. Pelo contrário nossa guerra resulta de estarmos distantes da paz, ou seja, dele mesmo. Não podíamos ter paz fora dele. Que contradição, o Príncipe da paz causar guerra! O castigo que nos traz a paz estava sobre ele (Is53: 5). O que mais me apaixona nesse Deus é saber que, independente de nossas escolhas, permanece nos amando. Mesmo quando escolhemos a morte, continua a nos oferecer a vida. Mesmo quando preferimos à vida mundana, pervertida, continua tentando nos mostrar que tem uma vida melhor para nós, uma vida abundante.
     Minha maior relutância quanto a essa mentira de que quem não vem pelo amor terá de vir pela dor, pauta-se nas graves conseqüências que tal visão pode causar. Aparentemente, trata-se apenas de um probleminha de linguagem. Entretanto, é mais sério do que se imagina. Quero aqui elencar algumas observações que tenho feito sobre isso:
As pessoas passam a servir a Deus por medo. É incrível como há pessoas que não faltam os cultos, participa de orações motivadas pelo medo de lhe ocorrerem algum mal. Não estou afirmando que é assim com todas as pessoas. Há muitas outras que vai à igreja pela sede de ouvir a palavra, adorar a Deus e exercitar comunhão com os irmãos. Mas quando as pessoas se dirigem à Igreja por medo é ruim, pois tais pessoas criam uma imagem de um Deus carrasco, justiceiro que impõe sua vontade a qualquer custo. Pior que isso, transmite medo. Já escutei um esposo que há vinte e cinco anos é crente e diz que a esposa (de coração duro), aceitará a Cristo no leito ou no vale da sombra da morte. Quero lembrar 1João4: 18: no amor não existe medo; antes, o perfeito amor lança fora o medo. Ora, o medo produz tormento, logo, aquele que teme não é aperfeiçoado no amor.
As pessoas deixam de contemplar o amor de Deus agindo em suas vidas. Lembro de outro caso: de uma jovem, que tendo entregado a vida a Cristo, se desviara algumas vezes do Caminho. Nesses intervalos, em intimidade com o mundo do pecado, teve sérios prejuízos, até que um dia, depois de lhe acontecer coisas horríveis, decidira de uma vez por todas, ficar em Cristo. Segundo ela mesma, a mão do Senhor pesara sobre ela, devido aos seus desvios, para que ela pudesse vir de vez para os caminhos do Senhor. Conhecendo mais de perto o seu testemunho, pude ver que não foi bem assim. Na verdade, Deus sempre lhe fizera o bem. Ela foi quem, envolvida com as farras do mundo, adquiriu alguns males. Mais interessante é que em meio a isso tudo foi que Deus a livrou da morte. Ela passou a servir a Deus verdadeiramente. Mas para mim está bem claro que Deus não lhe provocou males, ela os adquiriu. Mas Deus não desistiu de fazê-la feliz e muito menos de amá-la. Esse é o perigo de se enveredar por esse pensamento. Não contemplar o que Deus fez.
As pessoas deixam de ser responsáveis pelos seus atos. Vejamos o meu caso. Eu, desobedecendo à minha mãe, saí muito cedo por uma rua perigosa. O resultado de agir contrariamente às recomendações de minha genitora, foi encontrar com assaltantes que me deram pancadas que mais tarde me custariam quase a vida. E o pior, mesmo tendo sido espancado na cabeça, não liguei de ir ao médico. Antes, não perdi oportunidades de encher a cara de cachaça. E aí de quem foi a responsabilidade de quase pôr fim à minha vida? Seria de Deus ou do diabo? De nenhum dos dois. Eu decidira não obedecer, eu não quis ir ao médico. Logo, sou o responsável pelos meus atos. As pessoas estão sempre se eximindo de suas culpas de suas responsabilidades, negando as conseqüências de seus atos. Jesus falou certa vez de uma porta estreita e outra larga (Mt7: 13,14), e disse entrai. Deus falou através de Moisés do caminho da vida e do caminho da morte (Dt30: 15-20) e disse escolhei. Jesus falou: se alguém quiser vir após mim, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me (Lc9: 23). Portanto, nossas escolhas, nossos atos são as verdadeiras causas das boas ou más conseqüências em nossas vidas.
     Agora podemos ir ao texto bíblico e vê como Deus realmente nos ama. Sou apaixonado por esta frase de Jesus: e o que vem a mim de modo nenhum o lançarei fora. Podemos observar que ele refere-se aos que vêm a ele. Não diz que todos virão. Diferente da tese que diz que quem não vem pelo amor pela dor. Sendo assim, todos viriam a Jesus, ainda que através de dores. Ou seja, mesmo quem não quer um relacionamento com Deus, haverá de ter, pois ele o obrigará por meio de mecanismos forçosos.
     Sendo assim, entendo que o texto acima nada tem a ver com predileção de Deus por uns e outros não. Longe de mim acreditar que o Deus que é amor queira destinar as pessoas ao céu ou ao inferno por meio de ações semelhantes às de um comediante que manipula fantoches conforme lhe é mais conveniente. Pelo contrário, percebo nesse trecho a revelação de uma postura e um movimento de Deus acolhedores de TODOS aqueles que resolvem ir ou não ao seu encontro. Atentemos bem para o texto: E o que vem a mim.  Não estão aqui definido quantas quais pessoas virão. Essa frase apenas demonstra a disposição do AMOR (Deus) a receber os que decidem envolver-se com Ele através da descoberta gradativa da Sua beleza e amor infinitos.
Observemos a outra parte: de modo algum o lançarei fora.  Tal expressão desmancha a mentira de que Deus aceitará alguns para o seu aprisco e outros serão rejeitados por terem sido destinados ao inferno distante de Deus. Se fosse assim, qual o sentido de se lançar o convite (e é isto que se faz nas práticas evangelistas das igrejas), para que aceitem o sacrifício vicário de Cristo como salvação por suas vidas?
Aprendi a servir ao Senhor por conhecê-lo melhor e perceber seu cuidado e amor por mim como por todos. Quando peco, entristeço-me e não me amedronto ao pensar em castigos divinos. Envergonho-me de minha sujeira frente à santidade do Pai. Porém, corro aos seus braços como fez o filho pródigo, certo de que possa encontrar um movimento, uma festa, os braços abertos de Deus para me receber. O Seu amor me constrange não por medo, mas por não conseguir explicar como é grande o amor que doou o Filho por mim. E ao fazer essa descoberta livremente decido está com Ele, servi-lo, adorá-lo sem nenhum mecanismo de coerção, mas pela disposição que se origina da percepção do amor infinito. Por tudo o que foi exposto acima, posso afirmar contrariamente à expressão denunciada no presente texto, que os que vêm a Cristo vêm pela descoberta progressiva da maior de todas as verdades: OAMOR DE DEUS.

Fortaleza, 16 de julho de 2007.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário